segunda-feira, 28 de junho de 2010

Fome de desenvolvimento


Você tem fome de que?

As cidades que nascem com fome de desenvolvimento são quase sempre celeiro de campos cheios. Assim como Brasília poderia citar aqui milhares de cidades do território nacional que foram criadas com o intuito de dar certo, agregar valor a várias atividades econômicas, e ainda ser um bom lugar para se viver à medida que fosse crescendo. Belo Horizonte por sinal tem em sua história essa peculiaridade. O lendário curral Del rei. Tudo bem, mas vamos romper.
Citarei aqui Tocantins que cresceu bastante deu certo e várias vertentes despontaram no cenário como o agronegócio, engenharia entre outros. Há de se lembrar que Tocantins e circunvizinhos formam hoje com Luiz Eduardo Magalhães, cidade localizada no Oeste da Bahia, um dos maiores pólos de cultivo de grãos do Brasil.
Por outro lado, em Minas Gerais, muita coisa fluiu não só no eixo da pecuária, mineração, extração do ferro, ou na indústria que tem mantido saldos positivos nos últimos anos. Mesmo assim, a agricultura sempre presente continua a imperar nos coeficientes comuns na maioria das regiões mineiras. Os projetos de irrigação do Gorutuba, localizado em Janaúba, Pirapora e Jaíba, todos no Norte de Minas Gerais, por exemplo, ainda caminha “devagar” rumo a um caminho de sucesso (vale a ressalva), visto que, depois de mais de 25 anos de criação muito se investiu e pouco de gestão se impôs nas atividades exploradas, há de salientar. Hoje que a situação mudou e tinha que mudar. O modo de pensar dos produtores tanto quanto a chegada de novos investidores a estes locais têm alterado a paisagem dos campos daquela região. Bom para Minas. Bom para o Brasil. Ganhamos todos.
Aqui na Bahia um lugar que cresce e tem apenas 10 anos de idade é Luiz Eduardo Magalhães. Impressionante. E olha minha gente, é de se admirar o quanto esta cidade que já tem uma média de 66 mil habitantes, e, diga-se de passagem, todos misturados, mineiros, gaúchos, paranaenses, sul mato grossenses, paulistas, baianos, cariocas, e por aí vai; investem com coragem na produção de grãos. Arroz, milho, soja, algodão, gergelim, feijão alguns poucos gados, café (como não) e outros grãos que ainda não dei conta de contar são as pupilas do senhor reitor aqui do Nordeste.
Conforme informações divulgadas pela Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), o oeste baiano apresentou a maior safra de soja de sua história, batendo recordes de produção e produtividade. A produção do grão, pela primeira vez, alcançou a marca de três milhões de toneladas, registrando o volume recorde de 3.213 milhões de toneladas, 28% a mais do que a safra passada, que foi de 2,5 milhões de toneladas. O milho também bateu recordes, com a colheita de 1,4 milhão de toneladas nesta safra, 1,4% a mais que na anterior. Os números foram apurados pelo Conselho Técnico da Associação dos Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba). As condições climáticas favoráveis contribuíram para o aumento da produção de soja do oeste da Bahia.

Outro destaque é a área plantada de soja na região oeste, que cresceu 6,8%, passando de 982 mil para 1,05 milhão de hectares. A produtividade do grão também apresentou aumento, saltando de 42,5 para 51 sacas de 60 quilos por hectare. O milho também teve produtividade maior, apesar da área plantada ter sido reduzida de 180 para 170 mil hectares.


É muita riqueza fixada em commodities que podem ganhar o mundo em outras formas. E é por isso que vale a pena dizer, ver e ouvir o entusiasmo dos produtores que almejam baseados em tecnologia, chegar com proeza e sorrateiros aos mercados das potências internacionais com nosso café gourmet totalmente produzido, e por fim embalado; todo certinho partindo daqui, das terras verdes amarelo à mesa de algum norte americano ou daquele senhor europeu que precisa muito de um café de verdade para curar o cansaço de tanto ter que contar notas verdes ou sei lá que cor que valha mais que o real.
Sentiu inveja?- Este é o “REAL” pecado capital. Então, coma com sustança, e nos dê bonança com sua comilança!

Valéria Esteves
Jornalista

2 comentários:

Léo Silveira disse...

Ótima reportagem.
Parabéns.
Visite meu blog, sou de Pirapora e todos os dias eu o atualizo.
Abraços e Parabéns!
www.pitacodoleo.com.br

jussara disse...

Belissima reportagem.
Parabens!!